Estudantes da rede municipal participam da ação "Brincando também se inclui"

 

Foto: Arquivo DEE

 

A Gerência Geral da Pessoa com Deficiência da Prefeitura do Recife, em parceria com a Divisão de Educação Especial, participou, no dia 20 de outubro, do Projeto Praia Sem Barreiras Arena Boa Viagem na ação “Brincando Também se inclui”.

A equipe da Divisão de Educação Especial/ DEE organizou um grupo de 25 estudantes com deficiência (síndrome de Down, Autistas, com dificuldade de locomoção e usuários de cadeira de rodas) de seis escolas municipais do Recife, que são usuários do Transporte Escolar Inclusivo/TEI para vivenciar este dia diferente.

Para a atividade, foram utilizados sete veículos adaptados do TEI: quatro micro- ônibus e três vans para atender tanto aos estudantes como aos seus familiares, garantindo assim, um traslado seguro e confortável.

A alegria das crianças e de seus familiares nas atividades desenvolvidas era contagiante. Eles participaram das atividades de dança, capoeira, escovação e doação de escovas de dente e pasta, banho de piscina e de mar, utilizando a cadeira flutuante.

O Prefeito Geraldo Júlio e algumas autoridades dentre elas, a secretária executiva de espostes, Yane Marques, prestigiaram esta ação recreativa alusiva ao dia das crianças.

O evento foi de suma importância como ferramenta de inclusão social das crianças com deficiência, dando- lhes a oportunidade de vivenciar uma manhã prazerosa e descontraída. A ação alcançou resultados satisfatórios, pois contou com a parceria dos gestores escolares, Professores do Atendimento Educacional Especializado, Agente De Apoio Ao Desenvolvimento Escolar Especial (AADEE), estagiários, cuidadores, motoristas e as famílias dos estudantes.

 

Rede municipal de ensino se prepara para receber crianças com microcefalia

 

Foto:Cortesia

 

No próximo ano, a rede de ensino do recife começa a acolher as crianças com Microcefalia relacionadas ao surto do Zika Vírus que aconteceu em 2015. No total, serão 74 crianças recebidas nas salas de escolas e creches-escolas e, na última semana, os profissionais já começaram a passar por uma qualificação específica em relação ao tema, através de uma iniciativa da Divisão de Educação Especial.

A ação aconteceu na última quinta (21), através de uma palestra e um debate promovidos na Escola de Formação do Recife Professor Paulo Freire, que foram ministrados para os 233 profissionais do corpo docente do Atendimento Educacional Especializado. No turno da manhã, a médica Fátima Vasco discorreu sobre os achados da ressonância magnética nos bebês com Síndrome Congênita Zika Vírus. À tarde, a palestrante Daniela Rorato discorreu sobre inclusão e a sociedade civil.

Para a chefe da Divisão de Educação Especial, Shirley Moura, a formação é essencial para enfrentar os desafios no futuro. “É importante formar nossos professores das Salas de Recursos Multifuncionais, que eles possam ter todo o apoio necessário em sala de aula para receber estas crianças com Microcefalia e poder ofertar uma educação com qualidade social”, defende. Atualmente, há quatro crianças com microcefalia matriculadas na rede.

Uma das novidades para o ano letivo de 2018 é o Kit Multissensorial que passará a ser utilizado na rede. Cedidos pela Secretaria de Saúde do Recife, o kit possui 10 objetos, todos destinados a estimular funções visuais, auditivas, motoras, táteis e cognitivas das crianças com microcefalia. “Tudo é muito novo no Brasil sobre a Microcefalia em si, mas a Secretaria de Educação em Recife já se antecipa para formar os profissionais, ampliando a rede de inclusão na capital”, pontuou Shirley.